O que fazer com empregados irresponsáveis?

Muitas vezes os gestores enfrentam o facto de as suas equipas estarem a tentar livrar-se da responsabilidade, transferindo o fardo dos problemas não resolvidos para o chefe ou colegas. Se a maioria dos empregados fizer isso, é um rude golpe para a empresa. É possível descobrir porque é que isto acontece e se um empregado é irresponsável na entrevista de emprego.

Diagnosticar a irresponsabilidade

Em primeiro lugar, é preciso descobrir se o empregado é movido pelo medo ou se é apenas uma característica de personalidade. Há dois tipos de pessoas: algumas têm realmente medo da responsabilidade e tentam evitá-la a qualquer custo, e outras simplesmente não tendem a fazer mudanças, são conservadoras. É necessário determinar quem é quem.

O tipo pode ser identificado na entrevista de trabalho através da colocação de perguntas específicas ao candidato. Não perguntar imediatamente se ele ou ela é responsável. É melhor seguir um caminho de rotunda e fazer algumas perguntas como "Foi-lhe confiada uma tarefa, como a resolveu", "O que fez para sair de alguma situação", "Chegou a algum resultado na solução de algum problema e qual foi?

Lidar com empregados irresponsáveis

Outro bom instrumento para o diagnóstico é o DISC. É um instrumento para avaliar as manifestações comportamentais. Mostra como uma pessoa se comporta quando toma decisões, afecta outras pessoas, responde a mudanças, e quão bem ela se enquadra nas regras e regulamentos. Neste caso, a avaliação tem lugar na escala S (Steadiness). Revela a forma como uma pessoa reage às mudanças. Por exemplo, pessoas conservadoras que passam por este diagnóstico de personalidade aprendem que a sua característica acima mencionada não é o medo, mas sim o desejo de estabilidade. Podem ser descritas com palavras tais como previsibilidade, consistência e firmeza. Têm uma forte necessidade de segurança e de manter o que têm. É o seu tipo de personalidade.

As conversas pessoais também são eficazes. Se vir que um empregado quer mudar alguma coisa, terá de explicar que as mudanças são parte integrante do trabalho e da vida em geral. É com a lei da ordem mundial que ninguém pode discutir. O empregado deve aceitar este facto. Depois pode recomendar a escrita dos "prós" e "contras" das mudanças, prestando atenção a todas as desvantagens. Se forem demasiados, deve discutir isto com os colegas ou com os superiores e pedir-lhes conselhos ou assistência. Ou seja, para ver como o empregado pode transformar os "contras" em prós e quem o pode ajudar com isso.

Por vezes o medo de uma responsabilidade extra é ditado pelo facto de uma pessoa ter medo da opinião pública. Neste caso, deve aprender a abandonar a zona de conforto. Por parte do empregado, pode ser uma recompensa e um elogio por cada tarefa final desagradável. Da parte da direcção, é bom dar ao empregado novas tarefas, que ele ou ela não está acostumado a realizar.

Este tipo de pessoas tende a deixar tarefas desagradáveis para mais tarde. O conselho, neste caso, é começar a semana com estas tarefas em vez de as atrasar. Claro que, após a conclusão da tarefa, esta deve ser seguida com elogios tanto da direcção como do empregado.

Se falarmos do primeiro tipo de pessoas que têm realmente medo da responsabilidade, referimo-nos mais a um factor psicológico - trauma psicológico no passado. Se o funcionário compreender que o medo é a razão, só há uma forma de avançar. Ele ou ela deve lembrar-se do evento ou situação passada que resultou neste medo e vivê-lo novamente. Mas desta vez é necessário recuar e observar a situação a partir do exterior e com uma reviravolta positiva e um resultado favorável.

Respondendo à questão de saber se a direcção deve confrontar o empregado que tem medo de assumir responsabilidades, digo que tudo depende do tipo de personalidade. Se a pessoa em questão quiser estabilidade, pode não valer a pena e pode ser mais útil dizer adeus a um tal empregado. E se a pessoa experimentou stress no passado, é claro, o caminho a seguir é trabalhar com ela para superar a situação.

No conjunto, é muito importante "testar" uma pessoa antecipadamente para determinar porque é que ela evita a responsabilidade. O resto do trabalho é da responsabilidade do empregado: aceitar ou não e trabalhar com os medos, traumas psicológicos, etc.