Porque nem todas as ideias comerciais funcionam

Porque nem todas as ideias comerciais funcionam

Em qualquer negócio, há sempre algo a ser alterado, melhorado, acrescentado ou removido. Sem quaisquer alterações, o negócio só voltará atrás, pelo que deverá haver sempre novas ideias. Em algumas empresas, "pessoas especialmente treinadas" são responsáveis pelas novas ideias, em algumas empresas, é um dever da gestão de topo. Em qualquer caso, quem quer que crie estas ideias, a responsabilidade pela sua realização ou recusa de as pôr em prática será do Director-Geral, razão pela qual devem compreender como ninguém os critérios pelos quais tomam a decisão de aceitar ou negar a ideia de negócio.

Passo 1. A ideia

O primeiro e mais importante ponto é que uma ideia pode ser original, mas também pode ser uma cópia. Uma nova ideia tem sempre uma série de variantes que são revistas na sua formação; as cópias são simplesmente recolhidas e aquela que mais se adequa ou aquela que é apreciada é escolhida de entre elas. Mas uma cópia é o resultado de outra pessoa, já se podem ver as consequências da sua realização, no entanto, não se sabe como foi implementada nem quaisquer nuances e mesmo que se investigue a cadeia tecnológica, não há garantias de que se possa reiterar o original. E se conseguir alcançar um resultado semelhante, não será o primeiro e único no mercado. Enquanto se trabalha com variantes, escolhe-se a mais fácil, mas pelo menos 4-6 variantes devem ser estudadas, idealmente, devem existir 8 delas.

Passo 2. Tempo limite

O passo seguinte é definir o limite de tempo para a realização da ideia. Um limite de tempo, por exemplo, até 1 de Setembro não é suficiente; o período tem de ser dividido em fases intermédias, cada uma das quais deve ter um resultado intermédio. Em primeiro lugar, neste caso, verá fisicamente o resultado das suas acções que servirá como uma confirmação adicional de que, como líder, está a fazer tudo bem. Em segundo lugar, ao desviar-se do plano, poderá sempre voltar atrás no processo para o rumo definido, ou seja, corrigi-lo. Em terceiro lugar, um plano tão rigoroso irá discipliná-lo, bem como aos seus subordinados, e eles não serão capazes de lhe contar contos de fadas como "tudo está bem, não se preocupe" até ao último momento em que se verifique que nada foi feito. Este é um tipo de marcos que mostram a direcção certa. Cada etapa deve ter o seu próprio resultado, fisicamente visível, todo o resto são desculpas e pretextos.

Passo 3. Realização

Quando se escolheu a variante da ideia, é preciso mantê-la durante todo o processo de realização. Os erros são mais comuns nesta fase, porque o líder sozinho ou baseado nas crenças de alguém começa a desviar-se do conceito original para a solução mais próxima e mais fácil para a sua mente. Por exemplo, a escolha de matérias-primas para a produção muda a favor das mais baratas ou a prioridade de lançar uma linha muda no último momento. Neste caso, já não se controla o processo e este começa a ser caótico. Como resultado, não haverá nem um nem o outro. O Director-Geral, em virtude do seu cargo, é responsável por toda a empresa, incluindo a realização de todas as ideias e inovação. Se não estiverem preparados para assumir a responsabilidade pelo processo de realização e, em vez disso, tentarem espalhá-lo a todo o pessoal de acordo com o princípio "Somos uma equipa!", não obterão o resultado necessário porque o dinheiro é um nível de responsabilidade. Se o líder não estiver pronto para tomar decisões individuais e assumir a responsabilidade total por elas, mas anseia por lucros e prosperidade do negócio - não haverá nada mais do que slogans como "Um dia iremos certamente vencer todos e tornar-nos os líderes no mercado!!! Nós somos os melhores!!! Somos uma equipa!!!"! Como vamos vencer ou quando vamos vencer todos é incerto, mas soa bem.

Passo 4. Análise do resultado

Se a sua ideia funcionar, deverá analisar passo a passo como aconteceu desde que é a sua própria vitória como líder e a pessoa que assumiu toda a responsabilidade e a levou ao ponto de chegada lógico. Portanto, este é o seu kit de ferramentas. Se não o fizer, esta situação irá para o seu "banco de experiências" e, da próxima vez que aplicar descuidadamente esta "experiência" num caso aparentemente semelhante, arrisca-se a perder. Cada caso é diferente quaisquer que sejam as semelhanças externas que tenham. Quando classifica sempre a situação e aplica ferramentas adequadas em cada caso específico, cria um novo cenário que conduz a uma vitória, não a um fracasso. Então, as ideias comerciais necessárias serão realizadas e trarão benefícios em vez de decepções e perdas.