Gestor com Superpoderes: Como a Psicologia Ajuda na Gestão

Uma terapeuta licenciada, treinadora, especialista em PNL, Sara Wade disse à CleverControl quais os métodos de terapia de curto prazo que cada gestor deve ter em conta, porque é que o conhecido paradigma "cenoura-cenoura-cenoura" está agora desactualizado e o que é melhor usar em vez de testes psicológicos completamente ineficazes.

Técnicas de empréstimo

Sara , para utilizar eficazmente a psicologia em RH não é necessariamente tornar-se terapeuta e conduzir sessões terapêuticas reais, no entanto, ainda podemos emprestar algumas técnicas. Que notas recomendaria tomar a cada chefe?

Acredito que tudo se baseia no psicodiagnóstico pessoal dos empregados. O negócio é construído sobre pessoas, elas criam o fluxo de trabalho e alcançam resultados. Os líderes tomam frequentemente decisões intuitivas e, neste contexto, o reforço do conhecimento e das competências em psicologia só pode melhorar a qualidade do trabalho e optimizar muitos processos empresariais.

Na minha opinião, para gestores e empresários é importante prestar atenção aos métodos de terapia de curto prazo, que incluem coaching, PNL e várias técnicas cognitivas que podem ser extremamente úteis nos negócios. O coaching ensina os gestores a dominar os recursos únicos e a ir além dos limites pessoais, a fim de alcançar mais. A programação neuro-linguística ajudará a construir estratégias comportamentais eficazes, a aprender a resistir à manipulação e ao domínio psicológico. Os psicodiagnósticos ajudarão um gestor a ver as qualidades particulares de cada empregado, as suas capacidades pessoais, e fornecer a compreensão do que esperar e exigir da pessoa envolvida no processo empresarial.

A cultura empresarial e a formação do resultado global ajudará a construir um sistema de controlo passo a passo em cada fase e a implementar os elementos disciplinares necessários para construir a motivação dos empregados.

Novos truques a utilizar

É evidente que agora as empresas estão a afastar-se da utilização de métodos de pressão sobre o pessoal. Que novos "truques" pode a psicologia fornecer para que o Gestor possa obter do empregado tudo o que a empresa precisa?

O segredo psicológico mais importante é a sequência de acções do Director Geral. Se estabelecer um objectivo, se estiver genuinamente interessado nele como líder, como resultado, motiva os seus empregados. É necessário diagnosticar o pessoal para compreender qual é a sua verdadeira motivação, e em que é que as pessoas estão realmente concentradas.

Como "criticar" correctamente? Que esquema recomenda a psicologia? Ainda é popular esconder a crítica entre elogios?

Infelizmente, este esquema está há muito desactualizado. Agora é importante não criticar e não se colocar na posição de pai. No entanto, é importante falar com os empregados da perspectiva do adulto: estabelecer objectivos específicos, monitorizar os resultados intermédios e introduzir um sistema de relatórios obrigatórios. Este sistema ajuda os empregados a estruturar tudo o que fizeram, por um lado, e a obter feedback dos chefes de departamentos e divisões ou dos directores seniores, por outro.

É óptimo se o empregado disser não só o que estava a fazer mas também partilhar as suas tarefas no momento, falar sobre planos reais a curto prazo, enquanto faz pedidos e partilha desejos. Desta forma, para além do relatório que estimula por defeito e a iniciativa pessoal do empregado é também estimulada. E depois não é preciso criticar os empregados. Se houver um conflito, a má conduta regular e todos os seus desejos e exigências como gestor passam despercebidos, neste caso é necessário substituir o funcionário para encontrar um mais leal que esteja disposto a cumprir as tarefas, em oposição a manter uma pessoa que cria uma atmosfera negativa na equipa.

O tema da inteligência emocional também é popular. O que pode a psicologia recomendar a quem quer que esteja interessado no seu desenvolvimento?

A inteligência emocional é, acima de tudo, a capacidade humana de reconhecer as emoções, de compreender as intenções, motivações e desejos de outras pessoas e os seus próprios, bem como a capacidade de gerir as suas emoções e as emoções dos outros, a fim de resolver problemas práticos. Este conjunto de capacidades não é tão simples como parece, porque sem a supervisão de um especialista é difícil dominar estas capacidades. É necessário envolver um psicólogo, concentrar-se na experiência prática e aprender coisas novas através da formação, permitindo o ajustamento de alguém que já tenha alcançado determinados resultados no desenvolvimento da sua inteligência emocional.

Caso contrário, pode simplesmente ficar confuso, perder-se na terminologia e não compreender a metodologia deste conhecimento psicológico único sem a educação psicológica.

Métodos tradicionais

E os testes psicológicos para os empregados? Quão apropriados são eles e onde recomenda a sua utilização?

Pessoalmente, eu, como especialista, excluo por completo os testes psicológicos. Têm um baixo nível de eficiência, devido ao facto de as pessoas darem respostas socialmente aceitáveis às perguntas que estão relacionadas com as suas características pessoais. Os testes de cor e não-verbais funcionam melhor. Desta forma, obtemos mais informação e o funcionário não pode antecipar e construir algum comportamento planeado.

As empresas precisam de ter um psicólogo no pessoal?

Não é necessário. Os especialistas de RH podem tratar do trabalho administrativo relacionado com os empregados. Hoje em dia é mais importante e economicamente benéfico contratar um especialista que preste uma gama de serviços: testes, fazer recomendações ao Director Geral no formato do resultado final, realizar formação individual, organizar sessões de coaching com membros-chave do pessoal, realizar a supervisão remota da empresa.

Isto é suficiente para uma participação qualificada de um psicólogo na empresa e para a melhoria dos seus resultados.